para vocêjulho 07, 2016

Pra você que vive postando no Instagram, fique atento

Eu gosto de compartilhar as coisas, o que tem acontecido comigo e tal, e eu acho importante compartilhar tudo, não tudo, muito. E há tantas formas de compartilhamento agora, porque temos o YouTube, Snapchat, Twitter, e eu posso compartilhar fotos no Instagram. E eu comecei a ver as fotos das pessoas que me seguem no Instagram. Dai mudei minha opinião: não é para compartilhar TUDO.

Particularmente eu amo o Instagram, as fotos que são postadas lá são as melhores: tão reveladoras. Não, não quis fazer um trocadilho infame com a palavra fotos, mas é verdade (crianças e adolescentes não irão entender o trocadilho).

Dependendo da foto da para rastrear onde você mora. E apesar de você estar querendo mostrar uma pessoa ou você mesmo, a foto pode ter mais informações do que parece, algo escondido nas sombras, ou algum detalhe despercebido que pode revelar segredos enormes.

Então, antes de publicar uma foto no Instagram, considere em rever ela antes de publicar pensando nisso. Algum mal intencionado pode usar a foto a seu favor. 😉

para empresasjulho 06, 2016

Sendo um Insider MVP.

Da série: revivendo-posts-antigos-que-foram-deletados-na-confusao-de-troca-de-sites-no-início-do-ano, aqui está um post falando sobre ser Windows Insider MVP. Ou pelo menos como cheguei aqui.

6tag_241015-182457Hoje (quando eu escrevi isso aqui) faz um ano que sou Insider e um ano que o programa de Insider existe. E é com muito orgulho que faço parte desse grupo de pessoas que estão todos os dias testando as novas versões do Windows antes de seu lançamento, dando sugestões para os desenvolvedores em Redmond (como um novo icone para a lixeira, facilitação da opção de desligar o computador, menu de contextos integrados ? somente builds recentes -, lanterna na central de notificações e desligar o Wi-Fi ao invés de ir para configurações ao clique na central de notificações foram algumas das alterações no sistema proporcionadas pelos Insiders) e resolvendo diversos problemas criando um sistema muito mais maduro do que jamais seria no seu lançamento em 29 de julho. Fazendo assim ser um dos melhores, digo, o melhor sistema que a Microsoft já fez. E não falo isso por ser fã da marca.

O Windows Insider me proporcionou um ano incrível. Fui a Redmond conhecer os líderes da Microsoft e a equipe de desenvolvimento do Windows 10, vi coisas que não posso falar aqui pois assinei um tal de NDA e eles podem me processar. Mas posso falar que ganhei um Surface Pro 3 e um Lumia 1520 (e a viagem, claro)! Até mesmo tirei uma foto com Joe Belfiore, VP da Microsoft e com o Gabe Aul, responsável por todo o programa dos Insiders. Foi uma experiência incrível conhecer 9 outros Insiders no qual mantemos contato até hoje! Aproveito essa postagem para incentiva-los a ouvir (em inglês) o podcast Surface Smiths, apresentando por David Smith e Colin Smith, sendo que o primeiro estava na viagem comigo. Além disso, o Satya Nadella, em um evento de funcionários da Microsoft, falou sobre termos visitado o campos da Microsoft e também comentou o nome dos gatos do Gabriel (?Lumia?, ?Cortana? e ?Spartan?) que também estava na viagem [o Gabriel, não os gatos]! Foi sem dúvidas, uma experiência única.
Como Insider tive acesso antecipado ao Windows 10, podendo assim desenvolver meus aplicativos com certa antecedência, e assim, em outubro deste ano, lançar ao menos um aplicativo por semana, fique ligado para saber mais detalhes!
Além disso, tive a oportunidade de não só ir na festa de lançamento do Windows 10 em São Paulo (e que festa!), como ir a um pre evento exclusivo para alguns Insiders. E o melhor? Tudo pago!
Ser um Insider me proporcionou conhecer pessoas incríveis, tanto dentro quanto fora da Microsoft.
Além disso, graças as oportunidades que o Windows Insider Program me deram, hoje ? literalmente hoje (artigo originalmente de 1º de Outubro de 2015) ? recebi o prêmio de Microsoft Most Valuable Professional (MVP), que é basicamente um prêmio dado para o candidato que contribuiu de forma significativa para a comunidade, dando feedbacks, e tendo um conhecimento avançado sobre determinada tecnologia (você pode ver mais detalhes no site da Microsoft oficial do MVP, e este excelente artigo).

Então de um upgrade na sua vida, e viva os Insiders!

Atualização

No dia 1º de Julho todos os membros do Microsoft MVP que eram de categorias voltadas a consumidores finais (como Windows Experience, Windows Phone, Xbox, etc..) migraram para um novo programa: o Windows Insider MVP, diretamente dirigido pela equipe do Windows Insider lá de Redmond, WA.

 

para empresasjulho 05, 2016

Já pensou em se desconectar de tudo da Internet, esse site pode te ajudar

Sim, esse é um mega título sensacionalista, mas não deixa de ser real.

Há um tempo atrás descobri um site incrível, fiz questão de compartilhar ele no Facebook e todo ano o Face me lembra dele, e todo ano eu faço esse processo novamente. O site se chama Just Delete Me (apenas me delete, em tradução livre)Basicamente ele te da uma lista de sites onde você possivelmente tem uma conta, e informações sobre como apaga-las.

Todo ano abro esse site e fico horas me desconectando das coisas que não preciso mais, e recomendo você fazer o mesmo. E existe alguns motivos para recomendar isso: primeiro para não ter que ficar lembrando de senhas.

Também é a questão de segurança. Imagina que você tenha uma conta em um site qualquer e esse site é hackeado e sua senha é descoberta. Imagina se essa não é a mesma senha das suas contas sociais e até de outras contas (como a da Apple, Netflix, Microsoft, Google) que possui dados do seu cartão de crédito. Não seria interessante apagar essa conta já que você não usa ela mais. Você reduz a propabilidade de ser hackeado.

Também a dois fatores dos quais não entrarei em detalhes ou eu acabo fazendo um TCC só sobre eles neste post: privacidade e, claro, simplicidade.

O link para o site é: http://justdelete.me/

Vale lembrar que o site classifica os sites entre, fácil de remover sua conta, dificuldade difícil e impossível. Há ainda a categoria preta: o impossível. Preste atenção nestes sites. O Just Delete Me informa como sair da conta e já te facilita. Para os impossíveis ele explica os motivos de ser impossível.

 

para devsjulho 01, 2016

Instalando o Visual Studio 2015

O Visual Studio é uma das plataformas mais utilizadas para desenvolvimento, e uma das maiores, se não a maior. Com ele é possível desenvolver aplicativos universais do Windows 8.1 e Windows 10 (Mobile e PC), sites inteiros com Asp/.Net e programas com C#, F#, C++, Visual Basic e até Python! Sem falar é claro de poder desenvolver para Android e iOS pelo Cordova ou Xamarim. Enfim, tudo isso para falar que ele é incrível.

Hoje vamos aprender a instalar o Visual Studio. O Visual Studio é um produto pago (e caro), mas recentemente a Microsoft lançou o Visual Studio 2015 Community que é gratuito e com incríveis funções. No site do Visual Studio é possível ver os requistos de sistemas para a instalação da IDE>

Primeiro você vai precisar baixar o programa pelo link visualstudio.com, procure por baixar o Community 2015 e ele irá baixar automaticamente. Vale lembrar que esta é uma instalação online, ou seja, você precisa estar conectado na internet para poder baixar os componentes do programa e para instalar ele. Caso você queira baixar a versão offline vá nesta página e selecione, em “Choose format”, o formato ISO.

Ao começar a instalar o Visual Studio você irá se deparar com dois tipos de intalação, a Default, ou padrão e a Custom, ou personalizada. A instalação padrão inclui funções do C#, Visual Basic para Web e Desktop. Enquanto a personalizada permite você escolher quais funções serão instaladas.

Claro que você pode personalizar essas funções depois via o painel de controle.

A lista completa de componentes personalizado é o seguinte:

  • Linguagens de programação
    • Compiladores C++ Visual, bibliotecas e ferramentas
    • Visual F#
    • Ferramentas Python para Visual Studio
  • Desenvolvimento do Windows e da Web
    • Ferramentas de publicação do ClickOnce
    • Microsoft SQL Server Data Tools
    • Ferramentas de desenvolvedor da Microsoft
    • Ferramentas do PowerShell para Visual Studio
    • Kit de desenvolvimento do Silverlight
    • Ferramentas de desenvolvimento de aplicativo universal do Windows
    • SDKs e ferramentas do Windows 10
    • Windows 8.1 e Windows Phone 8.0/8.1 ferramentas
    • SDK e ferramentas do Windows 8.1
  • Desenvolvimento móvel em plataforma cruzada
    • Xamarim (C#/.Net)
    • Apache Cordova (HTML/JavaScript)
    • Desenvolvimento em Visual C++ móveis para iOS/Android
  • SDKs e ferramentas comuns
    • Kit de desenvolviemnto nativo Android (R10E, 32 bits)
    • SDK do Android
    • Instalação do SDK do Android (API nível 19 e 21)
    • Instalação do SDK do Android (nível de API 22)
    • Apache Ant
    • Java SE Development Kit
    • Node.js
  • Ferramentas comuns
    • Git para Windows
    • Extensões GitHub para Visual Studio
    • Ferramentas de extensibilidade do Visual Studio.

Se você está fazendo o curso de Desenvolvimento Mobile com C#, selecione “Universal Apps” e “SDKs e ferramentas do Windows 10”. Recomendo também já instalar o “Git para Windows” e “Extensões GitHub para Visual Studio”, pois estarei usando em algum momento no curso.

Para quem está só se aventurando na linguagem C#, a intalação padrão já é suficiente.

As próximas configurações, como o aceite de termos de adesão e do local de instalação são bem simples. A instalação em si demora um cadinho (deixe o computador ligado durante a noite para instalar e se bobear, ainda não vai ser o suficiente).

Uma vez que o Visual Studio esteja instalado ele irá pedir para você entrar com a sua conta da Microsoft, assim ele irá ativar o produto. Isso é obrigatório, e se você não tem uma conta na Microsoft é hora de criar uma.

Pronto, agora é só começar a criar códigos.

 

para vocêjunho 27, 2016

Notícia triste (e óbvia): fim do vNext

Quando peguei a edição do vNext a energia tava a mil, ligado no 220 volts, eu queria implementar muita coisa nova. Mas um tempo depois, pessoas chaves do vNext, que já haviam parado com ele por estarem mais focados em outras áreas, saíram do projeto por falta de tempo e outros compromissos (Cláudio Jr. e Arlys), pouco tempo depois começamos a sofrer com o site saindo do ar constantemente e não conseguindo deixa-lô online 100% do tempo. E claro, o mundo do Windows Mobile esfriou, poucas novidades e investimentos.

Não só por esse lado, mas desde Janeiro alguns projetos novos meus começaram, como o Garoto de Programa e a Y’APP. Também lancei um eBook e um aplicativo novo (Formula – Universal Code Editor). O custo do tempo para manter o vNext era bem alto para o projeto não dar o retorno mínimo que esperavámos.

Vinhamos trabalhando em um novo projeto e colocando um foco em outra área, não só o NextCast, e nos ligando cada vez mais a Microsoft Brasil. Analisando melhor, percebi que este projeto não necessáriamente precisava do vNext para existir e poderia ser completamente stand alone. Assim como o cast. O que estou dizendo é que, as coisas boas serão mantidas e migradas para outros projetos, assim ninguém sai perdendo.

E isso tudo é meio óbvio. Para quem me acompanha de perto, no Twitter e nas minhas redes sociais, sabe que o meu foco tem sido outro e que o meu tempo tem sido zero. É uma notícia extremamente triste para todos nós da equipe do vNext.

Espero que vocês entendam

para devsjunho 07, 2016

Construindo o Formula – Universal Code Editor

Na última semana eu lancei uma novo aplicativo: Formula – Universal Code Editor. E diferente de todos os aplicativos que eu fiz até agora, este foi complexo e não foi fácil desenvolver ele. Então pensando em todo o processo de construir ele eu decidi fazer uma série de posts no blog chamada de “Building it” para falar do processo de criar um aplicativo. E hoje falei sobre como escolhi o nome dele.

Bom, na verdade eu não cheguei a escolher o nome. Quando trabalho em um novo projeto eu uso codinomes, para este projeto em específio escolhi o nome Quebec. Como isso funciona? Simples, para projetos simples e que são algum tipo de ferramenta uso nomes de cidades na França (Como o projeto Nice, aka Random 42, ou o projeto Lyon, aka Time Calculator), para projetos de diversão e entreterimento eu uso cidades dos Estados Unidos (como Las Vegas, aka o velho #TrueOrDare). E agora projeto Quebec (Canada) para ferramentas complexas.

Eu gosto de trabalhar com codinomes porque assim eu não fico preso no nome do produto, siginificando que eu posso mudar o nome facilmente, apenas alterando uma linha de código. Ou que eu não preciso esperar por um nome até que eu começe a fazer a codificar. O nome é a última coisa que eu faço ou me preocupo, e para escolher o nome Forumla eu fui até a nação do Twitter!

Eu não sou bom em criar novos nomes. Eu iria lançar o aplicativo chamando ele de Quebec, mas eu sei que isso não é bom para o marketing nem para o produto. Então eu perguntei aos meus seguidores do Twitter, qual nome eu deveria utilizar. Eu recebi várias sugestões: Code X, IDE CODE,  Code Master, Codz, Codez e muitos outros.

Eu já estave pensando em usar o nome IDEA, mas ele já estava sendo utilizado pelo IntelliJ (IDE de Java). Sem a ajuda do Twitter eu iria usar este nome, e agradeço ao  @julihermes pelo aviso. E então, eu me vi com muitas opções, minha opção favorita até então era Code Boss. Mas muitos outros nomes bons também foram sugeridos. Decidi fazer um quiz no Twitter e o mais votado iria ganhar. Os participantes: Code Boss, IDEa, Formula e Code X. 37 votos depois, Code X ficou em primeiro lugar e Formula em segundo.

Durante este quiz o @julihermes me mandou uma outra sugestão: “Universal Editor”. Este sim era um nome incrível!

Então eu peguei a sugestão do @LaurenteEnoque e do @julihermes e contruí o “Formula – Universal Code Editor”.

Sim, eu sei, eu trapaciei. Não peguei o mais votado, mas Code X não estava passando a sensasão que eu queria. Não expressava o que o Formula é. E foi assim que escolhi o nome. Eu estou considerando em usar este mesmo metódo para escolher nvoos nomes, então fiquem ligados no meu Twitter (@vt_norton) para novidades e no meu snapchat (vtnorton) onde eu mandei muitas imagens do aplciativo antes de qualquer outro lugar

para empresasmaio 27, 2016

Sobre a tal da terceira onda de Alvin Toffler

Velocidade. A terceira onda é sobre velocidade. É tudo sobre velocidade. A velocidade percorrida entre a informação no Japão até os Estados Unidos não pode ser maior que a velocidade da informação entre Rio e São Paulo. Velocidade de carregamento da página é um veredito assustador para desenvolvedores web. A velocidade é tanta que nem mesmo em tempo real tem sido suficiente. Enquanto helicópteros pousavam em Abbottabad no norte do Paquistão para capturar o Bin Laden, o usuário do Twitter Sohaib Athar narrava o acontecimento sem saber o que acontecia. Velocidade. Quanto mais melhor.

Mudança de conceitos, fim das empresas tradicionais e a adoção da filosofia start up por elas, quem sabe o fim até da educação da qual fomos educados. A velocidade dessa onda tem seus lados bons, mas é preciso estudar a forma como se utiliza isso. Essa mesma velocidade trouxe um problema gigantesco para produtoras de conteúdo, conhecido como pirataria, e também é ela que pode salvar.

Veja o sucesso de Game of Thrones, por exemplo, que é transmitido em tempo real em todo o mundo, sem a necessidade de baixar o episódio posteriormente e incentivando assim a pirataria, ou até mesmo o acesso instantâneo no lançamento das séries por preços acessíveis com a Netflix e streaming de conteúdo grátis, como a Apple Music e o Spotify. A taxa de pirataria diminuiu, e muito.

Mas será que é só uma discussão de como resolver os problemas que não teríamos se fosse pela computação. Não, essa ela vai mais longe. A velocidade do acesso à informação permite aos usuários dessa nova, se é que ainda podemos chamar de nova, tecnologia de administrar melhor suas escolhas políticas (diversos aplicativos e sites mostravam a real intenção de cada candidato na época das eleições presidenciais de 2014), econômicas e até mesmo de transportes. Olha a treta da mobilidade urbana ai!

A internet tem posto o país, se não o mundo, em frente a um espelho gigante, onde está sendo apontado nossos erros e temos que corrigi-los. O Brasil está chegando perto de países culturalmente mais à frente, como os Estados Unidos em que a sociedade já não se importa com uma simples crítica, ou um comentário que aqui, pode ser considerado racismo e preconceituoso. Mas vai além. A terceira onda esta mudando o mapa. Sim, aquele mapa velho guardado no seu armário estava errado. Achávamos que conhecíamos o mundo que estava tudo decidido, cada território tinha um dono.

Aparentemente os mapas de vários estados estavam errados e alguns territórios estavam marcados tanto de um estado quando de outro.

Se estamos preparados para tamanha velocidade? Talvez. Mas precisamos dela. Precisamos de uma onda que limpe nossos erros, que concerte nossos preconceitos e aponte nossos erros, mostre nossas diferenças e nos faça feliz por elas, uma onda que nos deixe iguais aos outros.

para vocêmaio 09, 2016

OneNote – eBook gratuito

Não é segredo que sou apaixonado pela Microsoft e pelo OneNote, ferramenta de anotações da empresa. Essa ferramenta poderosa possui recursos que muitos não conhecem, e por isso decidi fazer um livro digital gratuito, e você pode baixar ele agora mesmo!

Só entrar em vtnorton.com/OneNote que você terá acesso ao eBook!

para vocêabril 29, 2016

Final do Imagine Cup em BH

Que eu sou maluco, não há quem duvide. Que eu amo viajar, também. Então na segunda feira desta semana (dia 25) recebo um e-mail me chamando para ir na Final do Imagine Cup em Belo Horizonte (MG). Semana de provas na faculdade, 150 quilômetros mais longe do que geralmente estou da faculdade, sem orçamento, sem lugar para ficar, sem nada. Claro! Partiu BH. Bate volta. Amo bate voltas.

WP_20160428_14_40_06_Pro2
Paula Bellizia no palco do Imagine Cup 2016 em BH

Sai de Cachoeiro rapidinho, fazer uma coisa rapidão em Belo Horizonte quarta à noite e chego sexta de madrugada. Virei duas noites em ônibus, mas compensou. O evento ocorreu na Cidade Administrativa de Minas Gerais, onde tem um prédio que chama Minas e outro prédio que chama Gerais. Achei cômico e bem mineiro colocar os nomes assim.  O auditório Juscelino Kubitschek estava reservado para o evento.

O evento, que está disponível para ser assistido no Channel 9, foi apresentado pelo Youtuber Lucas Rangel, teve palestra da Bel Pesce e claro, participação da Paula Bellizia, diretora da Microsoft Brasil e do Rodrigo Dias, o cara responsável pelo Imagine Cup no Brasil. Além de outros convidados especialíssimos. O evento foi super animado e as equipes ganhadoras mandaram muito bem.

Mas agora, que cheguei em casa, preciso dormir, porque quem me conhece sabe, eu não consigo dormir em ônibus. Ou seja… #partiuDormir

para vocêabril 25, 2016

#UmAnoAtras – Visitando o Microsoft Campus

Os minutos já não passavam tão rápidos quanto eles deveriam. Era 4 da manhã e eu já estava acordado, culpa da ansiedade e do fuso horário. Com muito custo chegou 8 horas da manhã. No elevador já encontrei mais um dos ganhadores. Já era o dia perfeito, sabe o que ajudou ele a ficar ainda mais? Ser recebido na recepção calorosamente pela equipe que iria nos guiar e pelo Gabe Aul. Sem falar do Surface Pro 3 que foi dado de presentes. E a próxima hora seria um bate-papo muito interessante entre a equipe, o Gabe Aul e dois engenheiros de software do alto escalão da Microsoft. Entre os assuntos abordados (além das diversas culturas presentes da mesa), estava o motivo dos chefões da Microsoft usarem celulares básicos (no caso o Lumia 640) e sobre telas azuis de morte.

O tempo foi passando, e com o final do café da manhã, iriamos para o prédio 37 onde ficamos a manhã toda em uma sessão de ideias de como melhorar o programa Insider. Conhecemos pessoas fantásticas ali. Havia até câmeras nos filmando e tirando fotos, agora sim estava sentindo-me a cara da riqueza. Infelizmente não posso falar o que conversamos neste ponto, mas posso falar que eles [a equipe do Windows Insider] realmente ama feedbacks! Em todo momento eles estavam nos agradecendo por dar tantos feedbacks. Era impossível dizer quem estava mais feliz ali, eles ou nós. Quer dizer, acabamos de ganhar uma viagem, conhecemos o Gabe Aul e muitos outros, ganhamos um Surface Pro 3, e eles pareciam mais agradecidos e felizes que todos nós juntos. Foi insano. Foi incrível. Não preciso nem falar que existe fliperamas por todos os lados e refrigerante, sucos, café e qualquer (QUALQUER) bebida-não-alcoólica de graça.

Não posso negar nem confirmar a presença de um unicórnio mágico, mas posso dizer que eles têm um gato que gosta de unicórnios.

Ao final da manhã do primeiro dia fomos para o prédio 33, também conhecido como o Executive Briefing Center, onde o MVP Summit geralmente acontece, e onde foi o palco da primeira Build Conference. O prédio é simplesmente incrível. Lá possui a maioria [se não todos] os prêmios da Microsoft. Têm até um pedaço do muro de Berlim lá, dado de presente ao Bill Gates. Ao entrar no segundo andar do prédio foi pedido para que deixássemos nossos equipamentos eletrônicos em uma sala separada. A equipe de filmagem e fotografia não puderam entrar. Então, óbvio, não vou poder contar o que estava naquela sala. Sei que é meio chato isso de “hey, vou te contar um pouco da minha viagem” e de repente “eu não posso te contar isso”, mas é isso que eu posso contar. NDA. Sorry.

Ao sair dali fomos encaminhados para um pequeno improviso, no piso de baixo estava acontecendo uma apresentação em que os Windows Insiders eram mencionados, tanto que usaram um pedaço de cada vídeo nosso. No improviso fomos para a frente de todos, nos apresentamos rapidamente, e então o que me fez mais feliz ainda, a fala: “Vimos que alguns dos participantes têm android ou iPhone, vamos resolver isto”, e entregaram um Lumia 1520 para cada um de nós. Uau! Eu iria comprar este aparelho se eu não tivesse ganhado.

Depois fomos a sala mais silenciosa da américa. A sala em si foi mais cara que o prédio inteiro, e nem tem piso. A sala além de ser a mais silenciosa do mundo, ela também suga o som. Não há eco. A experiência de bater palmas é completamente diferente lá, nunca baterei palmas da mesma forma. Ballmer costumava dormir lá, eu acho. Chega a ser incomodo, quando entramos na sala (um grupo pequeno de cada vez) é pedido para ficarmos em silêncio por 30 segundos, somente para os nossos ouvidos acostumarem com tamanha quietude. Mas ok, por que investir em uma sala tão silenciosa?  Qual a vantagem disto? Simples, todos os equipamentos de hardware são testados lá, para ter certeza de que não fazem nenhum barulho além do necessário, ou o mínimo possível. Microfones também são testados naquele local (têm até um manequim para simular uma pessoa falando), inclusive o Kinect e o Xbox One foram testado lá. É simplesmente um lugar fascinante.

Ao sair do lugar mais silencioso do mundo fomos ao laboratório de hardware da Microsoft, onde basicamente todos os dispositivos são feitos, inclusive o Microsoft Band. Reparamos que o diretor daquela equipe estava com uma Band diferenciada, uma branca. Acreditávamos que seria a Microsoft Band 2, mas estávamos enganados. Segundo ele, somente as pessoas da equipe da Band ganharam uma versão branca em homenagem a um engenheiro da equipe que veio a falecer a pouco tempo. Ao sair do laboratório de hardware fomos ao último local que esperaríamos encontrar na Microsoft: uma academia! Sim, meus caros leitores e leitoras, uma academia! Mas porque diabos teria uma academia dentro da Microsoft: simples! Para testarem a Microsoft Band. Aparentemente o local, recentemente inaugurado, era liberado para todos os funcionários da empresa, com uma condição, estarem vestindo uma pulseira para poder coletar dados e melhorar a qualidade do produto. Do lado de fora? Campo de futebol, pista de corrida e campo de tênis.

A partir daí já não iria me surpreender com mais nada encontrado na empresa, quero dizer, já não me surpreendi tanto quanto a academia, pois antes dela fomos em um local sobre o qual não posso nem falar que existe por medo de um NDA. Mas fomos para o prédio onde o Xbox foi originalmente feito. Durante a criação do primeiro Xbox o prédio ficou fechado para que ninguém além da equipe diretamente envolvida na criação dele pudesse entrar. Imagino que nem Gates poderia ver o que estava sendo feito ali. Mas o que eles queriam nos mostrar eram as várias salas disponíveis lá para que os produtos fossem testados. Um tipo de Big Brother Brasil, várias salas de estar onde as pessoas entram para jogar no Xbox ou usar algum aparelho, e que você é vigiado constantemente. Isso para ajudar a melhorar o produto e a interface dele. Foi mostrado alguns exemplos de melhorias muito interessantes que foram descobertas por estas salas. Também fomos apresentados a um monitor capaz de rastrear exatamente onde a você está olhando para a tela. Com esse tipo de tecnologia que é possível saber a melhora forma de fazer uma experiência de usuário incrível.

Durante o primeiro dia fomos ainda a três reuniões com big-dogs lá da Microsoft, principalmente na questão de marketing. Mas devido ao NDA, já sabe… Tá já entendi, se eu não for falar o que eu vi lá para que falar que eu fui lá. Sabe como é, né? Um pouco é melhor do que nada. Talvez um dia você possa experimentar um pouco disso, afinal, impossível não é. Finalizamos o dia com um jantar incrível perto do hotel. Gabe Aul ficou conosco o dia inteiro, ele é simplesmente muito atencioso e muito, mais muito, humorado! Uma das melhores pessoas que você pode conhecer na vida. Sério.

E vamos para o segundo dia, e particularmente o dia em que eu estava mais ansioso. Nós estaríamos com o Joe Belfiore.

Joe Belfiore é somente o responsável pelo Windows como um todo: Mobile e PC. É, geralmente, visto em todos os tipos de apresentação da empresa, especialmente a Build Conference. E lá estávamos, tomando um café da manhã com ele e podendo perguntar muitas coisas, inclusive (a pergunta que mais foi comentada) é se seria possível usar um celular da forma que usamos um computador, já que o Windows seria o mesmo. A resposta foi negativa, apesar de que alguns dias depois foi anunciado a função Continuum, que faz exatamente isto. No vídeo que está aqui embaixo é possível ver um pouco mais de detalhes deste encontro.

Ao sair dali fomos o laboratório de teste de telefonia celular, ou seja, um local onde é possível testar os celulares produzidos pela empresa em todos os sinais de todas as operados do mundo todo. Isso não é pouca coisa. Testes de software pesados são feitos diariamente, ou melhor, a cada vez que uma nova versão do sistema é compilada, o que acontece mais de uma vez por dia, isso em vários e vários aparelhos. Testes de hardware também são feitos lá.

De lá fomos para outra reunião improvisada, onde um engenheiro de software, do qual não me recordo o nome, mas também um big-dog lá, reforçou o quanto estavam felizes de ter Insiders lá na empresa e que nós [insiders] somos muito importantes para o futuro do Windows 10. Também discutimos a possível morte [agora confirmada] do Windows Media Center.

E fomos para o estúdio H, simplesmente o local mais bonito do Campus inteiro na minha opinião, é claro, o local onde é realizado o design do Windows não poderia ser feio. Podemos conhecer os locais e as pessoas responsáveis por fazer o sistema parecer o que parece, e conhecemos os líderes de cada área do sistema, como o responsável pela experiência de design, o responsável pelo Edge (na época chamado de Project Spartan), o responsável pelo OneDrive e Windows Hello e alguns outros líderes onde podemos perguntar o que quiséssemos e mandar o feedback diretamente para eles.

Uma vez finalizado com o time do Windows fomos para o time do Surface Hub e o produto foi apresentado para nós. E que produto, que hub. Eu quero um negócio desse na minha casa, melhor que um Xbox! Sério! É o produto perfeito para empresas (não fui pago para fazer esse merchan, é natural mesmo!). Só não visitamos a fábrica do Surface Hub pois eles estavam parados no dia, ficou o gostinho de quero mais. Ao fim da palestra duas coisas aconteceram: levei um baita spoiler de Grey’s Anatomy, pois no final da palestra fora mostrado nos resultados do Bing Images o Patrick Dempsey, ator que faz o Derek Shepard em Grey’s e que teve o seu personagem morto pela showrunner. E claro, dei uma de brasileiro, e fui desenhar uma bandeira do Brasil no Surface Hub. Porque claro, BR na veia!

De lá fomos a garagem da Microsoft, um local lotado das mais diversas impressoras 3D e algumas invenções malucas dos funcionários da empresa, um local com todas as ferramentas necessárias para deixar a sua criatividade correr solta. É um dos locais mais criativos da empresa e é de lá que saem muitos projetos bacanas. Após isto, ainda no mesmo prédio fomos visitar a equipe de Internet das Coisas, e acabamos ganhando um kit para montar nossos próprios robôs.

Depois de ter passeado pelo gigante campus da Microsoft, todos nós nos despedimos comendo um bom hambúrguer americano e com bons papos.

Há mais detalhes a ser contato? Claro que há! Perguntem sobre a viagem ou qualquer coisa nos comentários e eu responderei da melhor forma possível! E com certeza irei falar mais sobre essa viagem em alguns outros textos que eu for escrever neste blog, então já sabe! Fique ligado, todo dia útil tem postagem aqui! Comentem e compartilhem, tire Insights sobre os meus Insights e faça grandes coisas.

Essa semana estarei falando mais sobre Microsoft, sobre os contatos que fiz lá, o prêmio MVP e até o Imagine Cup! Fique ligados! Na próxima semana estarei falando mais sobre minha vida pessoal e alguns projetos que estou lançando.